Arquivo da categoria: sociedade do auto

CET e SMT: prefeitura se cala sobre problemas

Órgãos responsáveis por administrar o trânsito em São Paulo são os primeiros a evitar comentários a respeito dos congestionamentos e outros problemas do trânsito na cidade. A afirmação poderia ser uma opinião do blogueiro, mas é fato: duas matérias publicadas pela imprensa hoje mostram que a gestão Kassab prefere enfiar a cabeça no buraco em vez de se explicar ou explicar como age para diminuir o impacto do trânsito na vida do paulistano. Leia reportagem do G1 e da Agência Estado.

TL na Avenida 23 de Maio

Avenida 23 de Maio - TL 1970

Avenida 23 de Maio - TL 1970

Ciclistas decidem promover guerrilha em SP

Ciclistas improvisam sinalização em SP

Ciclistas improvisam sinalização em São Paulo

A administração pública em São Paulo é e será cada vez mais confrontada por um grupo de ciclistas que decidiu utilizar táticas de “guerrilha urbana” e “desobediência civil” para fazer valer seu direito de circulação. As primeiras marcas visíveis da estratégia foram as pinturas no asfalto que indicam uma via destinada ao uso de ciclistas. Na segunda-feira (22 de setembro – Dia Mundial Sem Carro), inauguraram as placas em postes que indicam a necessidade de manter 1,5 metro das bicicletas (conforme determina o Código Brasileiro de Trânsito, artigo 201).

Mas não foi só. Repetiram no mesmo dia a passeata com bicicleta – a Bicicletada – que fazem regularmente a cada última sexta-feira do mês. Desta vez, levaram cerca de 500 ciclistas para a Avenida Paulista e travaram o trânsito por aproximadamente 45 minutos em cada sentido da via.

As conquistas ainda não são visíveis ou não podem ser diretamente creditadas ao grupo. Mas o Metrô já permite bikes à noite, há estacionamentos que emprestam bicicletas e cresce o número de viagens feitas sobre duas rodas sem motor. Eles querem mais. Criatividade para divulgar a causa não falta.

Verdades e mentiras na Pesquisa Origem e Destino

Os jornais manchetaram neste sábado o crescimento do uso do transporte público na região metropolitana de São Paulo. A base para a afirmação foi a divulgação parcial da Pesquisa Origem e Destino 2007 do Metrô, realizada em parceria com diversas secretarias e autarquias sob comando do governo estadual.

Quais as verdades e mentiras por trás dos números que, isoladamente, podem nos fazer crer que o governo tucano está cumprindo seu papel de oferecer “transporte público de qualidade”? Por si só, podemos falar que essa é uma tendência e, finalmente, vamos ter menos carros nas ruas?

Durante a apresentação parcial dos dados, os técnicos louvaram a expansão do sistema metroferroviário, nem citaram a importância da integração entre os modais oferecida pelo Bilhete Único e, no fim das contas, tentaram passar a impressão de que há uma tendência da população abandonar seus carros e que, enfim, só agora sobram evidências de que é urgente privilegiar os investimentos no setor.

Para mim, que não estive na coletiva, é emblemática a definição do secretário José Luiz Portella. Em uma de suas declarações, conforme cita a Folha, registra que o aumento da demanda pelo transporte coletivo se deve ao aumento na renda das classes C, D e E. “(O aumento na renda) não foi suficiente para as pessoas comprarem um carro, mas foi suficiente para que quem andava a pé passasse a usar o transporte público.”

Sendo assim, a tendência verificada em 40 anos na pesquisa se mantém: só faltou dinheiro para que a procura por transporte individual continuasse levando vantagem nas análises. Ponto.

Há muitos outros dados para serem comentados, como o aumento no uso das bicicletas, que foi de quase 50%. Hoje são mais de 300 mil viagens de bike por dia na RMSP, mas isso não chega nem a 1% das viagens totais. Ninguém comentou com ênfase, mas vale notar também o aumento na oferta de ônibus nas ruas. Em dez anos, o total subiu 164%, enquanto a frota de veículos cresceu 33%.

Fuscas na Barra Funda – II

Fuscas na Rua Doutor Sérgio Meira

Fuscas na Rua Doutor Sérgio Meira

Fusca na Barra Funda


São várias as oficinas mecânicas na Barra Funda, principalmente na rua de mesmo nome e na porção do bairro mais próxima da linha da CPTM. Lá, nos fundos do bairro, temos alguns galpões que ainda resistem às investidas do mercado imobiliário.

Perto da minha casa ainda temos uma loja especializada em peças para Fusca. Na mesma distância fica a Garage Web, uma oficina que costuma devolver às ruas carros com placa preta. Este carro vermelho acima foi clicado na região. O modelo e a cor me despertam grandes memórias afetivas, pois um tio mantém um exemplar com o mesmo estilo.

Para quem gosta de Fusca, aconselho: http://www.fuscaclube.com.br/.

Cenas do Corredor Norte Sul

Carro antigo no Corredor Norte Sul

Carro antigo no Corredor Norte Sul