Seu pulmão inala fumaça de 7 milhões de carros

Onde está escondida a região do Parque Ibirapuera?

“Entre a saúde pública e os automóveis, é de esperar que o prefeito Gilberto Kassab não hesite em escolher a primeira se for preciso enfrentar um estado de emergência.”  Editoral da FSP 29 ag 2010

Tenho dores de cabeça desde quarta-feira, quando a poluição paulistana ficou ainda mais evidente com o agravamento da baixa umidade do ar.  Agora, com janela aberta neste começo de tarde de domingo, vejo a fumaça e continuo com a mesma dor:  chata, constante e zombeteira.

Evitei reclamar demais nesses dias de poluição extrema. Todos sabem que sou pró-ciclista e me angustio por ter um dia comprado um carro extremamente poluente que está parado na garagem há meses.  Não quero ter minha militância confundida com o samba de uma nota só da Marina, mas temos pontos em comum. A fama de ecochato só faz o discurso não ser ouvido quando temos realmente algo a dizer…

Segundo o Detran, em julho, a capital paulista tinha 6,8 milhões de carros licenciados (link Detran). Se mantida o ritmo de crescimento do primeiro semestre, fecharemos o ano com 7 milhões de carros nas ruas. Talvez esse número não seja alcançado, já que o crescimento da frota no primeiro semestre foi influenciado por políticas de incentivos fiscais. Mas, isso é apenas talvez…

Atualmente, uso transporte público: Metrô e ônibus. Em alguns momentos, eles são bastante desconfortáveis. Em outros, consigo até ler e ser feliz. Nesta semana o Metrô estava absurdamente cheio já por volta das 17h. Desisti e usei ônibus, também nada agradável. Minha semana foi péssima, à noite em casa não consegui manter o ritmo de leitura, não escrevi e muito menos tive ânimos para fazer algum exercício físico. Estou torcendo pela chuva, urgentemente.

O editoral da FSP deste domingo questionou a falta de vontade política de Kassab, que nenhuma medida tomou diante da fumaça que as fotos mostraram sem dificuldade. Medo do desgaste político? Pode ser, é provável.  O certo é que há linhas técnicas embutidas nestes estados de alerta, atenção e emergência que são as mesmas que nos fazem ter que ouvir que há limites aceitáveis para a expansão do uso dos carros em São Paulo.

Enquanto os técnicos apostam na expansão da Marginal Tietê e Barbara Gancia defende em coluna que as bicicletas não devem ser usadas em São Paulo, eu vou seguindo aqui com minha dor de cabeça.  E sou pessimista: ela vai piorar e os paulistanos seguirão em seus carros preferindo o conforto do congestionamento ao desconforto da busca por mudanças.

Bom mesmo seria se nem precisássemos de um estado de emergência, mas nem ele é garantia de alguma ação contra a verdadeira causa da poluição que nos mata um pouco a cada dia.

Lins relacionados:
Rodízio completa 15 anos com efeito quase nulo sobre ar de São Paulo – FOLHA.COM
Cicloativíssima – Barba Gancia (Colunista critica uso das bicicletas em SP)
Outras Vias (blog do Daniel Santini)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s