Mario Vargas Llosa – A cidade e os cachorros

Mario Vargas Llosa, Batismo de Fogo: indispensável

Não é a foto do livro errado: "A cidade e os cachorros" já foi editado aqui entre nós com o título "Batismo de Fogo". Qual você prefere?

“La ciudad y los perros” é o título original desse que é o primeiro romance de Vargas Llosa.  Com a tradução direta para “A cidade e os cachorros” essa obra recebeu a edição mais recente no Brasil, aos cuidados da Alfaguara. Li a versão um pouco mais antiga, da Record/Altaya, parte da série Mestres da Literatura Contemporânea, cujo título é Batismo de Fogo. Mas, afinal, o título pode influenciar uma leitura?

Ao menos neste caso, sim. Minha disposição em relação à obra foi embalada por uma certa expectativa da passagem, do ingresso em algo novo. Afinal, do batismo resulta algum senso de pertencimento. E assim, talvez inconscientemente, tenha lido todo o livro: em busca dessa luz no fim do túnel, desse entrada em um mundo novo.

Sim, é verdade que esse rito é o fio condutor desse que é o primeiro romance do escritor peruano. Escrito em 1962, trata da vida de adolescentes internos em um colégio militar. O batismo está nos violentos trotes que marcam a entrada na escola e, sobretudo, nos dramas que fazem esses internos se transformarem em homens após três anos de estudo. O batismo não seria apenas o ritual de admissão, mas todo o colégio interno seria uma espécie de batismo de fogo para a vida adulta.

Simplificadora a análise. É preciso ir além. Por isso mesmo, talvez se eu tivesse lido o romance guiado pelo título original eu valorizasse ainda mais, desde o começo, as oposições feitas pelo autor ao longo das 373 páginas. Os alunos novatos, chamados de cachorros, e a cidade são realmente os protagonistas. Os dilemas da sociedade peruana dos anos 1950 estão todos presentes: há os claros contornos da pobreza desenhando destinos, há as influências da moral sexual em movimento, o rigor da ordem frouxa vivida pelos militares e tanto mais.

Quem dedicar seu tempo à Batismo de Fogo vai encontrar vários traços de Llosa que serão retrabalhados em outras obras: os “narradores múltiplos”, a diversidade de assuntos em busca de uma analogia com a vida, abordagem literária chamada de “romance total” . Além disso, há espécies de sub-capítulos dentro da obra que estão ancorados em tempos diferentes. No papel de crítico literário, o próprio autor definiu esse recurso narrativo como “vasos comunicantes”.

A técnica consiste em narrar criando uma unidade com episódios que ocorrem em tempos  ou  espaços  diferentes, mas que  têm  algum  tipo  de denominador  comum  que  não  torna  inconveniente  ou incompatível essa fusão (VARGAS LLOSA, 2003:74).

Ao pesquisar sobre Llosa e Batismo me deparei com o fato de que, apesar de ser sucesso de público e crítica, ele não encontrou o mesmo ‘afeto’ entre seus hermanos.  Ao lado de Gabriel Garcia Márquez, é representante do boom latino-americano, período de fascínio exercido por esses autores nos fins de 1960. Mas, os ares de best-seller não fizeram bem para sua convivência com os “amigos”. E isso não tem nada a ver com o soco que ele deu em Garcia Márquez. Essa é outra história.

Sobre ele, o grande autor argentino Juan José Saer afirmou: “suas formas literárias me parecem caducas”. Outro argentino, Ricardo Piglia, o chama de “escritor convencional”. Ao contrário do que pensam alguns, chileno Roberto Bolaño o admirava e até chegou a escrever o prefácio de uma reedição dele, mas via tanto no peruano quanto em outros medalhões do boom a perpetuação de um modelo arcaico. Há quem diga que a inimizade dos latinos contemporâneos, formados por duros anos de ditadura, advém do posicionamento político de Llosa, direitista assumido e um dos precursores do neoliberalismo no continente. Afirmar isso, porém, é reducionismo. O próprio Saer se justifica, acrescentando que admira outros autores “de direita”, como Céline e Borges. A bronca, portanto, seria somente em relação à prosa de Llosa. (veja a resenha completa do jornal “rascunho” aqui)

Vale ler todo o artigo do Jornal Rascunho. Para mim, ao menos por enquanto, Llosa tem mais que isso e é um excelente contador de histórias. Como diz a resenha, “combina as duas escolas: a amplitude social da época áurea do romance com a ousadia lingüística dos modernos.”

Opinião de Saer
Recomendo também a leitura da entrevista do escritor argentino Juan José Saer (1937-2005). À USP em 1997, falou pouco sob o autor que é tema desse post, mas apresentou vários aspectos da sua compreensão da literatura. Sobre Llosa e Batismo de Fogo, resumiu: “Quanto a Vargas Llosa, fui um dos primeiros a dizer que Batismo de fogo era um romance escrito para mostrar que há militares maus e militares bons.”

E ele completa : “Creio que a filosofia dos autores do boom foi o mercado, que eles perceberam que nos Estados Unidos se começava a ver esse tipo de coisa que ia ser, na minha opinião, a destruição da literatura latino-americana.” (Veja entrevista completa aqui). Nada melhor que ler para construir sua própria opinião.

Livro: Batismo de Fogo, Mario Vargas Llosa
Record/Altaya, 1995.
Classificação Papel Eletrônico: 4 estrelas (0 a 5)

Anúncios

Uma resposta para “Mario Vargas Llosa – A cidade e os cachorros

  1. Pingback: Emanuel Mattos.com.br » Arquivo do Blog » Mario Vargas Llosa, Prêmio Nobel de Literatura de 2010, afinal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s